Vinicius Benevides, VP da ABAR e diretor da Adasa, participa de fórum em Lisboa

236
Benevides participou da mesa redonda "Água e Mudanças Climáticas" em encontro sobre O Futuro da Regulação Estatal

Vinícius Benevides, diretor da Adasa (DF) e VP Centro-Oeste da ABAR (Associação Brasileira de Agências de Regulação), participa esta semana, em Lisboa, do encontro “Os Desafios do Desenvolvimento – O Futuro da Regulação Estatal”, convidado pelo Ministro Gilmar Mendes, Presidente do Conselho Consultivo do Fórum de Integração Brasil Europa-FIBE.

A programação, que começou na segunda-feira (18) e será encerrada nesta quinta (21), inclui 23 mesas-redondas sobre os mais diversos temas, oportunidades para debates e trocas de experiências entre autoridades judiciais e reguladoras, professores e especialistas, que atuam no Brasil, em Portugal e em organismos internacionais.

Benevides participou da Mesa Redonda 9, realizada na terça-feira (19), sobre o tema “Água e Mudanças Climáticas”, na qual apresentou os resultados de um mapeamento territorial da água superficial e dos corpos hídricos de todo o território brasileiro realizado ao longo de um período de 35 anos, de 1985 a 2020, feito pela Projeto de Mapeamento Anual do Uso e Cobertura da Terra no Brasil (MapBiomas).

“Foram fotografados com satélites os 8,5 milhões de quilômetros quadrados do Brasil”, conta Vinícius Benevides. “Isso gerou um arquivo de 108 terabytes, com mais de 150 mil imagens processadas, que revelaram, por meio de estudos com inteligência artificial, as áreas, os anos e os meses de maior e menor cobertura da água.”

DESTAQUES DO ESTUDO

O VP Centro-Oeste da ABAR aponta alguns dos principais resultados revelados pela análise do levantamento fotográfico:

  • 76% da água superficial do Brasil ainda está em superfície natural, ou seja, que não sofreu a ação humana
  • Aproximadamente 18% encontram-se em hidrelétricas
  • Cerca de 6% são representados por outros tipos de reservatórios antrópicos (que sofreram ação humana)
  • Ao longo dos 35 anos do levantamento, a perda de superfície de água no Brasil foi da ordem de 7,6%
  • 59% das bacias hidrográficas brasileiras apresentaram redução da superfície de água no período estudado
  • O Brasil tem 2% do seu território coberto por água
  • Embora a superfície de terra do Brasil seja equivalente a 6% do território global, o País concentra 12% da água do Planeta

A Amazônia é o bioma brasileiro que concentra a maior parte dessa água, cerca de 60%. Em segundo lugar está a Mata Atlântica, com 12% da água superficial brasileira. O Pampa, que é o menos extenso dos biomas, é o terceiro maior em termos de superfície de água. “Constatou-se que a construção de reservatórios superficiais, para apoiar culturas agrícolas, aumentou a quantidade de água superficial na região”, explica Vinícius. O quarto bioma em disponibilidade de águas de superfície é o Cerrado (9%), seguido pelo Pantanal (5%) e pela Caatinga (3%).

O diretor apresentou também dados relativos a municípios e estados brasileiros, observando que enquanto alguns registraram perdas de superfície de água no período analisado, outros ganharam. Os estados que tiveram as maiores perdas foram Mato Grosso do Sul (711 mil hectares) e Mato Grosso (530 mil hectares).

“Cadê a água que estava aqui?”: estudo sobre a evolução das águas superficiais brasileiras apresentado pelo diretor foi feito a partir de mapeamento do território nacional ao longo de 35 anos

CLIMA, SOLO E ÁGUA: INTERLIGADOS

“A conclusão que se tira, e que os cientistas devem aprofundar um pouco mais, é de que as mudanças climáticas pontuais têm influenciado o clima como um todo e, por consequência, as precipitações e o fluxo hídrico”, explica Benevides. “Sabemos que o aumento da temperatura provoca também alteração em todo o processo climático.”

Além das mudanças climáticas globais, ele ressalta outros fatores para as alterações verificadas nas últimas décadas, como os efeitos dos fenômenos conhecidos como El Niño e La Niña, que atingem o Brasil de formas diferentes em cada região. Mudanças climáticas locais também estão entre as causas, assim como a dinâmica do uso da terra na conversão da floresta para pecuária e agricultura.

“O que não sabemos ainda é qual o percentual de impacto de cada um destes fatores na redução de área verificada na superfície de água no Brasil”, reconhece o VP da ABAR, que propõe o desafio: “Foram apresentados apenas números e fatos. Cabe agora aos cientistas aprofundarem o resultado deste trabalho”.

Também participaram do painel, ao lado de Benevides, Adriano Candido Stringhini, CMO da Sabesp e Governador do Conselho Mundial da Água; Ana Luísa Guimarães, Mestre em Direito e Advogada; Floriano Pesaro, ex-secretário de Estado do Desenvolvimento Social de São Paulo; George Santoro, Secretário de Fazenda do Estado de Alagoas (moderador); e Verônica Sanchez, Presidente da ANA.