Trata Brasil lança novo Ranking do Saneamento no Dia Mundial da Água

99
Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Para celebrar o Dia Mundial da Água (22 de março), o Instituto Trata Brasil, em parceria com GO Associados, publica a 14ª edição do Ranking do Saneamento com o foco nos 100 maiores municípios brasileiros. O relatório faz uma análise dos indicadores do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), ano de 2020, publicado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional.

Entre os principais dados revelados pelo estudo, destacam-se os seguintes: a ausência de acesso à água tratada atinge quase 35 milhões de pessoas; 100 milhões de brasileiros não têm acesso à coleta de esgoto; somente 50% do volume de esgoto gerado são tratados; os investimentos feitos em 2020 foram da ordem de R$ 13,7 bilhões, volume insuficiente para que sejam cumpridas as metas do Novo Marco Legal do Saneamento.

As cinco cidades mais bem posicionadas no Ranking são: Santos (SP), Uberlândia (MG), São José dos Pinhais (PR), São Paulo (SP) e Franca (SP), todas na Região Sudeste. As cinco piores, por sua vez, se encontram todas na Região Norte: Macapá (AP), Porto Velho (RO), Santarém (PA), Rio Branco (AC) e Belém (PA).

O Ranking do Saneamento contempla dezenas de indicadores, sendo o principal deles a disponibilidade do acesso à água tratada. Ao avaliar as 100 cidades do relatório, a média desse indicador é de 94,38% da população com os serviços, superando a média nacional, que é de 84,13%. O destaque negativo é Porto Velho (RO), onde apenas 32,87% da população tem acesso a esse serviço.

A Presidente Executiva do Instituto Trata Brasil, Luana Siewert Pretto, considera que esta edição do Ranking evidencia uma estagnação dos municípios que sempre estão nas piores posições. “O que nos assusta é que estas cidades, mais uma vez, são da região Norte do País, aonde o acesso ao saneamento ainda é mais deficitário do que em outras regiões”, afirma. “Há capitais que estão trabalhando nos últimos anos para saírem dessa posição, mas não é a regra, é a exceção.”

Acesse aqui o Relatório Completo e a Tabela das 100 maiores cidades brasileiras.