ARESC – Programa de monitoramento busca recuperar Rio do Brás

1168

Em função dos problemas ocorridos em Canasvieiras, em Florianópolis, devido à balneabilidade da praia comprometida pela poluição do Rio do Brás, muitas são as ações desenvolvidas pelos órgãos competentes com a finalidade de remediar a situação.

Conforme relatórios de balneabilidade da FATMA, o local da foz do rio continua impróprio para banho. Mediante cenário preocupante, a Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina – ARESC será parceira no programa de monitoramento realizado pela Fundação Municipal do Meio Ambiente – FLORAM e Secretaria de Habitação e Saneamento.

A operação, iniciada no último dia 31 de março, abrange o monitoramento e coleta de amostra quinzenal no Rio do Brás em um período de 12 meses.  Como a contribuição do esgoto doméstico é possivelmente um dos maiores problemas para a qualidade da água, será realizada a amostragem em 07 pontos ao longo da extensão do rio para o acompanhamento de sua qualidade hídrica.

“O objetivo é conhecer e avaliar a qualidade ambiental e o comportamento do rio, de forma a identificar eventuais problemas e, assim, propor medidas para a sua recuperação”, considera a Gerente de Fiscalização da Aresc, Luíza Borges Kaschny.

Embora não seja de competência legal, o monitoramento do rio do Brás em si e a balneabilidade da praia de Canasvieiras por parte da Aresc, e sim a fiscalização e regulação dos serviços prestados pela Casan, a agência de regulação abraçou esta ação por reconhecer a relevância das realizações das coletas para a melhoria do rio.