Programa Aliança de eficiência energética ganha plataforma digital

17

Ideia é tornar o portal um canal de comunicação com os gestores do programa que já economizou 175 GWh em indústrias pesadas

 

Uma das principais ações de difusão da eficiência energética entre grandes consumidores de energia do país, o Programa Aliança agora tem uma plataforma on-line para tornar abertas algumas informações sobre os vários projetos implementados por essa iniciativa conjunta da CNI – Confederação Nacional da Indústria, Abrace – Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e Consumidores Livres, MME – Ministério de Minas e Energia e a Universidade Federal de Campina Grande.

Ainda com a intenção de se tornar um canal de comunicação com os gestores do programa e de centralizar notícias sobre eficiência energética, o portal www.programaaliancacni.com.br  compartilha dados de projetos implementados em 12 indústrias energointensivas a partir de 2018, quando o programa passou a ser financiado pelo Procel, da Eletrobrás. As participantes são dos setores de siderurgia, mineração, cimento, papel e celulose e química, empresas como Gerdau, Oxiteno, Suzano, Vallourec, AngloAmerican, CSN e Nexa.

É possível ao público em geral ter acesso no portal a relatórios das iniciativas adotadas nas indústrias, com restrições de conteúdo por conta de sigilos operacionais de cada empresa. A mesma plataforma, porém, é utilizada pela equipe técnica do Aliança para se comunicar com os gestores dos programas em implantação dentro das indústrias, em áreas restritas do portal.

Nos relatórios é possível conhecer o histórico dos projetos, com resumo sobre as etapas de diagnóstico de oportunidades de eficiência e de planejamento de implementação, em processos conduzidos por especialistas do programa em conjunto com os gestores das empresas. As informações, porém, não entram em detalhamentos técnicos. Para embasar os projetos, a equipe de consultores utiliza ferramentas de modelagem computacionais dos processos industriais para simular otimizações que trarão eficiência energética à indústria.

Com apoio do Procel desde 2017, que financia 50% do projeto (o restante do aporte fica a cargo da empresa participante), o Aliança funciona por meio de acordos voluntários com as indústrias para implementação de medidas de redução de consumo. A meta do programa é melhorar em pelo menos 5% a eficiência energética das instalações das indústrias, que assumem adotar no orçamento seguinte as medidas encontradas pelas modelagens e diagnósticos de campo.

Criado em 2014, o programa já foi implementado em 14 indústrias. No primeiro ciclo de investimentos, de 2015 a 2016, foram financiados dois projetos, na montadora GM e na química Clariant, com investimento de R$ 500 mil em cada, sendo que na época metade dos recursos foi da Embaixada do Reino Unido e o restante das empresas. No segundo ciclo, em 2017, já com recursos do Procel, que nessa etapa financiou metade dos R$ 500 mil de cada projeto, o programa passou a ser adotado em 12 indústrias. Essa etapa está em fase final, sendo que até o momento a economia total do programa foi de 175 GWh.

Um terceiro ciclo deve começar ainda neste ano, com aporte total de R$ 10 milhões do Procel, para expansão do programa em 24 indústrias, que ainda estão em fase de seleção. Nessa etapa, as indústrias entram com contrapartida de 100% do recebido.