Maiquel Guilherme Zimann é aprovado para compor diretoria da Agepar

79

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (AGEPAR) teve o nome de Maiquel Guilherme Zimann aprovado para assumir a Diretoria de Regulação Econômica. A sabatina na Comissão de Obras Públicas, Transportes e Comunicação da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) é parte do processo legal e aconteceu na manhã da terça-feira (12).

“Já atuo no serviço público há alguns anos, mas não deixo de considerar este mais um desafio, não apenas pela amplitude das atribuições, mas pelo próprio desafio de conciliar os preços das tarifas com os serviços oferecidos em um país que tem mais de cem milhões de brasileiros sem saneamento e mais de 35 milhões sem acesso a água potável. Por isso, nos processos atuais de regulação, é fundamental que haja um equilíbrio entre o aspecto social, que transcende os aspectos econômicos”, refletiu, ao ser questionado pelos deputados que compõem o grupo.

Maiquel Guilherme Zimann teve a indicação para a Diretoria de Regulação Econômica, da AGEPAR, aprovada pela Comissão de Obras Públicas da Assembleia Legislativa do Paraná.
Foto: Dálie Felberg/Ale

Formado em Direito e com mestrado em Economia, ambos pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Zimann afirmou que é um estudioso da regulação econômica desde a graduação. Já atuou com assuntos regulatórios na implantação e regulamentação de aplicativos como o Uber, na Prefeitura de Curitiba. Em 2019, começou a trabalhar na Casa Civil do Governo do Paraná, onde tinha a função de apoiar os assuntos econômicos, processos regulatórios, um deles, os contratos de pedágio, e foi ainda secretário executivo da Comissão de Política Salarial.

As principais atribuições do novo diretor na AGEPAR serão atuar em matérias que tratam da regulação de todos os serviços públicos que precisam de regulação e fiscalização do Estado, como gás, saneamento, energia, ferrovias e rodovias. “A diretoria tem a atribuição de supervisionar coordenadorias, entre elas, transporte público e de novos mercados, por exemplo. Nosso dever é acompanhar cada um desses setores com as peculiaridades que cada área merece”, afirmou.

Crédito: Claudia Ribeiro, da Alep