Lago Paranoá começa a ficar mais baixo

738

 

 

 

A cota do Lago Paranoá vem sendo diminuída a cada dia desde o final de agosto e, este ano, por causa do trabalho de desassoreamento que será executado na região onde desagua a rede pluvial do Noroeste, próximo à ponte do Bragueto, seu nível mínimo excepcional (999,70 m) será atingido no dia 16 de setembro.

A partir do dia 22 de setembro, o nível começa a se recuperar ganhando um centímetro por dia, até atingir a cota 999,80, que é definida como mínima pela Resolução Adasa 17/2014. Todo este processo de variação pode ser acompanhado no site www.adasa.df.gov.br, no link “Cotas do Paranoá”.

 

Em outubro (dias 17 e 18), a lâmina será elevada até 999,90 m para a realização de evento náutico. Em seguida o nível volta a subir até atingir a cota 999,80 m, no final do ano, quando subirá gradativamente até atingir a 1000,80 m, no período das chuvas.

 

O rebaixamento previsto não compromete a utilização do lago em suas diversas atividades (geração de energia, pesca, esportes náuticos, etc). Neste período de baixa da lâmina de água, as margens do lago ficam mais expostas e a CEB controla a geração de energia para garantir as cotas mínimas diárias.

 

O rebaixamento do lago ocorre todos os anos, atingindo as cotas mínimas entre os meses de setembro/outubro. A Adasa aproveita esse momento para realização da Semana Lago Limpo, uma ação de educação ambiental voltada para a conservação dos nossos recursos hídricos, tendo o Lago Paranoá como protagonista.

Como nos anos anteriores, a “Semana do Lago Limpo” acontecerá em setembro (entre 14 a 19) e contará com atividades de coleta de lixo nas margens do Lago e participação de escolas de mergulho na limpeza debaixo d’água.

Responsável pela definição e acompanhamento das cotas, a Adasa cumpre o definido anualmente pelo Grupo de Acompanhamento dos Níveis Altimétricos do Lago Paranoá – CEB, CAESB, Marinha do Brasil, Secretaria de Turismo, Diretoria de Vigilância Ambiental em Saúde, Comitê de Bacia do Paranoá, Federação Náutica de Brasília, IBRAM e SEMARH, garantido os usos múltiplos do Paranoá (geração de energia, abastecimento humano, pesca, lazer, navegação e outras modalidades esportivas).

Para Camila Campos, coordenadora de informações hidrológicas da SRH, a Adasa e os demais membros do GT de Acompanhamento se preocupam em cada vez mais aumentar o nível de conhecimento e o grau de detalhamento dos níveis do Paranoá, levando em consideração não apenas a preocupação com a instabilidade do período chuvoso, mas principalmente com a garantia dos usos múltiplos e a futura captação da CAESB de até 2,8 m³ por segundo, a partir de 2015.