Dia Mundial da Água: associados da ARES-PCJ combatem perdas

504

O Dia Mundial da Água e a realização do 8º Fórum Mundial da Água no Brasil trazem à tona a importância de melhorar a eficiência dos sistemas de distribuição de água. No caso dos municípios associados à ARES-PCJ uma série de medidas são colocadas em prática pelos prestadores de serviços de saneamento para o combate às perdas hídricas: instalação de macro e micro medidores, redução de pressão na rede e localização de vazamentos estão entre os exemplos de iniciativas.

De acordo o Instituto Trata Brasil, o índice de perdas no Brasil é de 37%, entre a água perdida em vazamentos – perdas físicas, quando a água tratada não chega ao usuário –, e também em roubos, ligações clandestinas, medição incorreta ou falta de medição – as chamadas não-físicas, quando a água chega ao destino e é consumida, porém não cobrada, causando prejuízo na prestação dos serviços de saneamento.

Na região das Bacias PCJ, onde estão inseridos a maior parte dos municípios associados, em 2015, segundo o SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento), metade dos municípios apresentava perdas superiores a 30% – a meta na região é atingir 25% até 2020. A meta já foi atingida por municípios como Campinas e Limeira, que estão entre os menores números do país, e é trabalhada pelos demais municípios.

Em Atibaia, a SAAE instalou 15 macro medidores, aparelhos que medem o volume captado e disponibilizado às Estações de Tratamento de Água, e busca implantar mais 16. O objetivo é identificar locais críticos de perda, reduzir custos e captação, e aumentar o faturamento. “É mais do que um investimento em alta tecnologia e gestão. Não é luxo, é uma necessidade”, afirma Fabiane Santiago, superintendente da autarquia.

Em Jundiaí, a Gerência de Controle de Perdas da DAE realiza o Plano de Perdas para o planejamento de ações. Foram trocados 20 mil hidrômetros (micro medidores) antigos, que perdem a sensibilidade na medição e, de acordo com especificações do Inmetro, devem ser verificados após 5 anos de uso. Também foram instaladas válvulas redutoras de pressão, aparelhos que ajudam a evitar danos causados à rede por pressão excessiva de água.

Na cidade de Pirassununga, 11 áreas foram setorizadas, ou seja, isoladas para estudo e medição de perdas. Para combater o problema, o SAEP trabalha em três frentes: combate a fraudes, pesquisa ativa de vazamentos e atualizações de cadastro técnico. E tem tido resultados positivos, como no bairro Santa Fé, em que tanto as perdas reais como as aparentes tiveram redução após a implantação das medidas.

De acordo com relatório da Agência de Bacias PCJ, o setor de saneamento/abastecimento público é o que mais consome água na região, o que aumenta a responsabilidade de atingir as metas do Plano de Bacias.