Arisb-MG e Cesama discutem rumos do Acertar em Juiz de Fora

81

Na quarta-feira (10), os analistas de Regulação e Fiscalização da Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento Básico de Minas Gerais (ARISB-MG), Douglas Spindola e Sabrina Madeira, reuniram-se com representantes da Consultoria Deloitte e da Companhia de Saneamento Municipal de Juiz de Fora (Cesama), na sede da Agência. O objetivo foi discutir a aplicação da metodologia Acertar, pela Deloitte, junto à Cesama. Durante a conversa foram abordados os resultados da Auditoria realizada esse ano e a preparação para as próximas etapas.

A Cesama é regulada pela ARISB-MG desde setembro de 2020, quando o município firmou um Convênio de Cooperação com a Agência, cujo objetivo é a delegação das competências municipais de regulação e fiscalização dos serviços de saneamento básico.

O Acertar, metodologia estratégica na gestão de resultados utilizada pela ARISB-MG, levou a Agência a encerrar o ano de 2021 como destaque no cenário nacional. Foi a primeira agência reguladora do Brasil a executar as auditorias do 2° ciclo da metodologia – Avaliação de Confiança com testes de controle – com pessoal próprio. A conquista desse resultado foi muito comemorada pelos analistas e pela direção da Agência, tendo em vista que o ano passado foi especialmente difícil em função das restrições impostas pela pandemia de COVID-19.

A expectativa é que até o fim deste ano a ARISB-MG continue a dar continuidade ao fluxo de crescimento apresentado nos últimos anos. “A nossa meta é contribuir de forma expressiva, não só para a melhoria da qualidade das informações prestadas ao SNIS, mas também para a melhoria do setor de saneamento básico no estado de Minas Gerais ”, assegurou Sabrina Madeira. O próximo passo é avançar para o terceiro ciclo do Acertar que, como determina o Ministério do Desenvolvimento Regional, deve estar concluído em 2023.

Douglas Spindola acredita que, com o Acertar, em poucos anos o Brasil poderá dispor de informações e indicadores de saneamento que revelem e mudem, de fato, o cenário do saneamento no Brasil. “A mudança do cenário está vinculada à necessidade do aprofundamento das normas regulatórias. Mas, para que isso ocorra é imperativo que as informações e indicadores sejam confiáveis e certificadas”, alertou o analista.