ANCINE: Indicadores do cinema nacional melhoram no primeiro semestre de 2018

371

A Agência Nacional do Cinema – ANCINE realizou na última quinta-feira, 26 de julho, a terceira reunião da Câmara Técnica do Segmento de Mercado de Salas de Exibição. A Câmara foi criada em dezembro de 2017, após encontro de distribuidores e exibidores com a ANCINE para definição anual da cota de tela. O objetivo do grupo, que pretende se reunir mensalmente, é acompanhar e analisar o comportamento do mercado de salas de exibição desde que foi aprovada, em janeiro de 2018, a aferição por sessão de cinema para cumprimento de cota de tela.

A reunião, realizada na sede da ANCINE no Rio de Janeiro, foi aberta pelo diretor-presidente da Agência, Christian de castro, e contou com a presença dos diretores Alex Braga e Mariana Ribas.

“Foi uma demanda do setor que tivéssemos um acompanhamento mensal trazendo as questões do mercado, sempre nessa relação continua entre produtores, distribuidores e exibidores. Buscar a melhor forma de fazer esse mercado funcionar e aumentar a participação de mercado, com maior escolha de filmes brasileiros. Tudo isso com produtores independentes produzindo mais, com distribuidoras independentes brasileiras fortes, trabalhando junto com os players internacionais que também são importantes no nosso mercado, tanto na distribuição, quanto na exibição. O objetivo final é que o filmes brasileiros independentes consigam chegar no seu contato com o público”, avalia Christian.

Conduzida pela Superintendente de Análise de Mercado, Luana Rufino, a reunião iniciou com a avaliação do resultado do mercado de salas de exibição do 1º semestre de 2018 em comparação com o mesmo período de 2017.

De acordo com dados da Superintendência de Análise de Mercado (SAM), a partir das informações recolhidas pelo Sistema de Controle de Bilheteria (SCB), todos os indicadores do cinema nacional melhoraram (número de sessões, público, participação de mercado e títulos exibidos). Esse resultado se mantém mesmo quando se exclui da análise obras com grandes bilheterias que poderiam distorcer o resultado, como “Nada a perder”, “Minha mãe é uma peça 2”, “Vingadores: guerra infinita”, entre outros.

Leia mais aqui.