ANA convoca reunião para discutir hidrovia Tietê-Paraná e operação de reservatórios

560

A Agência Nacional de Águas reuniu nesta terça-feira, 17/10, representantes das partes interessadas na hidrovia Tietê-Paraná para discutir uma proposta do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) de flexibilização da atual cota mínima de 325,40 metros, no lago da UHE de Ilha Solteira. A cota mínima foi fixada no edital de licitação da hidrelétrica.

De acordo com a proposta do ONS, a cota mínima seria reduzida para 325 m até o final de outubro e para 324,80 m até o final de novembro. O Objetivo do Operador Nacional do Sistema Elétrico é garantir a governabilidade nas cabeceiras das bacias formadoras do rio Paraná (rios Paranaíba e Grande) até a chegada do período úmido no Sudeste, que está atrasado e as expectativas de chuvas para as próximas semanas, segundo o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), não são de normalização das precipitações aos níveis médios sazonais.

Para os representantes do setor de navegação presentes à reunião convocada pela ANA, a cota proposta pelo ONS inviabilizaria a navegação na hidrovia Tietê-Paraná, que permaneceu fechada por vinte meses durante a crise hídrica de 2014/2015 na região. A Agência Nacional de Águas propôs uma nova reunião, marcada para o dia 25/10, pela manhã, na sede da ANA, para aprofundar as discussões. No total, 25 pessoas participaram da reunião, entre representantes do setores elétrico e de navegação e poderes público federal, estadual (SP) e municipal.