Agrese discute faturamento dos serviços de saneamento em condomínios

234
A população sergipana, através de um ambiente democrático, pôde expor na manhã da última sexta-feira (27), suas ideias no seminário “Medição Individualizada x Fatura Única”, realizado pela Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Sergipe (Agrese), através da Câmara Técnica de Saneamento, que abordou os aspectos positivos e/ou negativos da forma de faturamento dos serviços operados pela Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), diretamente aos condomínios.
O evento que aconteceu no auditório da Codise, fez parte de uma ação que antecede o procedimento de Audiência Pública para alteração do Regulamento Geral da Agrese, com o intuito de propor uma modelagem de cobrança que seja adequada para a população sergipana.
A Agrese que vem trabalhando desde de 2019 na adequação ao Novo Marco do Saneamento, trouxe para os participantes exemplos de boas práticas regulatórias, que foram explanadas pelo superintendente de Fiscalização Econômico-Financeira e Contábil da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo (ARSESP), Luiz Antônio de Oliveira Junior, que parabenizou a Agrese pela Iniciativa. “Esse encontro prévio à uma Audiência Pública, para ouvir as partes envolvidas, é uma atividade muito importante. O que demonstra que a Agrese é modelo de boas práticas Regulatórias”, citou.
O presidente do Sindicato de Habitação de Sergipe (SECOVI-SE), Sandoval Júnior, também parabenizou a Agrese e ressaltou que a realização do seminário foi um caminho acertado. “O SECOVI-SE parabeniza e corrobora com todas as ações da Agrese. Nos escutar antes de trabalhar o termo de referência e fazer as devidas modificações de forma justa, sempre para a melhoria e desenvolvimento de um bom serviço do Estado, é de extrema importância, porque ouve todos os que militam e que fazem parte da gestão condominial”, concluiu.
O diretor-presidente da Agrese, Luiz Hamilton Santana de Oliveira, destacou que o seminário se mostrou de grande valia, porque proporcionou o espaço para que os condomínios pudessem apresentar as suas necessidades, democratizando as discussões. “A participação no evento foi bastante significativa, mostrando que estamos no caminho certo, ouvindo a sociedade, para tomar a decisão mais adequada”, pontuou. Ele ainda explica que todos os subsídios coletados servirão de base para a elaboração de um termo de referência, para que seja alterado o regulamento da Agência Reguladora, que dispõe sobre a prestação dos serviços públicos de abastecimento de água, de coleta e tratamento de esgoto em Sergipe.