ADASA registra menor consumo de água do ano em seu edifício sede

663

A Adasa (Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF) registrou, em outubro, o menor nível de consumo hídrico de 2017, com uma redução de 63% em comparação com o mês anterior. Foram gastos 93 m³ em outubro contra 269 m³ consumidos em setembro.

Entre as ações para obter esse resultado, a Agência criou um canal de participação direta dos servidores e colaboradores para sugestões e registro de desperdícios e vazamentos. Além disso, uma equipe faz a leitura do hidrômetro semanalmente e acompanha a curva e, quando nota qualquer desvio, aciona caça-vazamentos. Em agosto, por exemplo, foi registrado um pico ocorrido por causa de um vazamento (cano estourado à noite durante um fim de semana).

Com essas medidas, a Adasa reforça a importância da participação de todos na mobilização em prol do uso racional da água. De fato, desde o início da crise hídrica, medidas de contenção foram implementadas, resultando numa economia de 60% no consumo registrado no edifício sede desde o início da crise hídrica, em agosto de 2016.

“Nós mobilizamos os servidores para que, por meio do papel de reguladores, conseguíssemos dar o exemplo. Com isso, colocamos mensagens e alertas diários nos computadores, inserimos garrafas pet com água dentro das caixas acopladas aos vasos sanitários, trocamos as torneiras das pias com temporizador e as válvulas das privadas com acionamento de água reduzido, entre outras ações”, afirmou a superintendente de Administração e Finanças da Adasa, Cleidionice Veríssimo.


Pingo de Consciência

A política de redução de consumo de água nos órgãos públicos foi reforçada no fim de agosto com a assinatura da portaria que estabeleceu o Desafio Pingo de Consciência — cada gota vale muito, uma competição entre mais de 70 instituições da administração pública direta e indireta do Governo de Brasília.

A ideia é premiar órgãos de governo que atingirem a maior porcentagem de redução de consumo referente a setembro, outubro e novembro. A base de comparação é o mesmo período em 2015.

Os três primeiros colocados receberão certificado de reconhecimento. Além disso, os órgãos que atingirem a meta mínima de economia de 10% — definida por meio do Decreto nº 37.644, de 20 de setembro de 2016 — terão selo de uso consciente da água. A Adasa está firme nessa disputa!