ADASA- Há água para todos no DF

583

Com o uso dos recursos hídricos do Lago Paranoá, do Rio Bananal e da Usina de Corumbá IV, o abastecimento de água do Distrito Federal está equacionado até 2040. Quem garante é o Diretor-presidente da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal – ADASA, Vinicius de Sá e Benevides.

“Com a inclusão dessas três fontes de abastecimento vamos dobrar a oferta de água para o DF”, afirma. “É bem verdade que Corumbá IV é um empreendimento conjunto entre a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (CAESB) e de Saneamento de Goiás (SANEAGO). Irá atender inicialmente as cidades do Entorno, mas abastecerá Santa Maria, Gama e Recanto das Emas.”

Como reforço, a ADASA também investe na recuperação das margens do Reservatório do Descoberto, responsável, hoje, por 50% do abastecimento do DF. Para isso conta com o apoio de irrigantes, que ajudam com o reflorestamento das áreas com espécies nativas do cerrado.

Vinicius reconhece que a oferta de água no Distrito Federal é reduzida. Formada por nascentes e rios pouco caudalosos, que seguem para as Bacias do Prata, do São Francisco e do Tocantins a partir da Estação Ecológica de Águas Emendadas, a rede hidrográfica da Capital da República oferece poucas alternativas de abastecimento.

Apesar disso, o Plano de Ação Integrada de Recursos Hídricos, aprovado por unanimidade pelo Comitê Gestor, que tem a participação da sociedade e do meio acadêmico, identificou uma capacidade de suprir 36m³ de água por segundo, bem acima da demanda atual, de 28m³ por segundo. A avaliação não inclui os reservatórios subterrâneos.

“Por meio de um acompanhamento constante dos recursos hídricos e da diminuição do desperdício podemos atender a população com alguma folga. Nós sabemos onde estão os problemas e vamos resolvê-los”, diz Vinicius.

Um centro de operações, em construção, irá concentrar dados obtidos por 44 estações de superfície e 47 pontos de coletas. As informações sobre as reservas de águas subterrâneas serão fornecidas por instrumentos instalados em 64 poços tubulares e 64 cisternas.

Outro ponto importante para garantir o abastecimento de água do Distrito Federal, segundo o Diretor-Presidente da ADASA, é a resolução de problemas de drenagem. Para garantir a integridade do Rio Bananal, uma série de medidas protetoras foi tomada durante a fase de projeto do Setor Noroeste.

Fonte: http://www.adasa.df.gov.br