ADASA – Apresenta Resultados da Qualidade e Quantidade da Água do DF

525

A qualidade da água dos rios do Distrito Federal está situada nas faixas “média e boa”. Os dados foram obtidos com base nos resultados das análises da qualidade das águas dos rios monitorados através das 47 estações da ADASA desde  2009. Nas áreas onde foram observadas mediações “qualidade média”, o problema está relacionado com lançamentos de efluentes domésticos (esgoto), a principal fonte poluidora hídrica do DF.

Segundo Camila Campos, responsável pela Coordenação de Monitoramento da Superintendência de Recursos Hídricos da ADASA, nenhuma das 40 sub – bacias do DF apresentou Índice de Qualidade da Água (IQA) nas faixas “muito ruim, ruim ou excelente”. As bacias que apresentam pior qualidade da água são as do ribeirão Sobradinho, rio Melchior, ribeirão Ponte Alta e o córrego da Papuda.

Com relação à disponibilidade hídrica, as séries históricas disponíveis na ADASA demonstram a ocorrência de mais áreas com estado de alerta ou crítico, resultado de diversos fatores como aumento da demanda (uso em excesso), devastação da vegetação nativa, ocupações irregulares e assoreamento dos rios. O problema da disponibilidade é observado principalmente no período da seca.

Os últimos dados coletados, produzidos pela ADASA e complementados por dados de vazão fornecidos pela CAESB, estão sendo atualizados nos mapas de qualidade e disponibilidade hídrica das unidades hidrográficas do DF (anexos). Esse trabalho de produção e análise dos recursos hídricos está sendo elaborado pela equipe técnica da Superintendência de Recursos Hídricos no Centro de Operações da Água – COA.

Camila destaca que a maioria das unidades hidrológicas apresentam problemas somente em relação à quantidade ou qualidade da água. Em algumas, porém, a situação tem como agravante a ocorrência simultânea de escassez e qualidade, como observado nas regiões dos rios Descoberto e Maranhão.

 

 

Fonte: http://www.adasa.df.gov.br