ABAR se candidatará à recondução ao Board do Conselho Mundial da Água

212
Benevides, durante a última reunião do WWC, em Lisboa, entre o ministro Duarte Cordeiro, de Portugal, e a diretora Ana Carolina Argolo, da ANA. Também presentes o Diretor Presidente da Adasa-DF e membro do Board, Raimundo Ribeiro; o Diretor da Adasa Jorge Werneck; o Ouvidor da ANA, Ricardo Andrade; o ex-Presidente do Conselho Mundial da Água Benedito Braga; e o representante da Sabesp no Board, Marcel Sanches

O presidente da ABAR (Associação Brasileira de Agências de Regulação), Vinícius Benevides, afirma que a entidade comunicará ao Conselho Mundial da Água (World Water Council – WWC) seu interesse em ser reconduzida como membro do Board de Governadores da instituição. A eleição para os assentos do Board está marcada para dezembro, na França. O calendário do processo eleitoral foi definido na 78ª reunião do WWC, realizada em Lisboa, no início de julho.

A ABAR é uma das três instituições brasileiras a integrar o Board – as outras são a Adasa-DF e a Sabesp, cada uma em um diferente segmento de representação. A escolha dos próximos Governadores será definida no voto pelos associados.

“Precisamos trabalhar duro para continuar no Board, porque o processo eleitoral envolve cerca de 350 associados de todo o mundo, e apenas 35 serão escolhidos”, comenta Benevides. “O Brasil tem 12% da água do mundo, somos o maior produtor de água, por isso é importante que o País tenha o maior número possível de membros no Board. É uma forma de participar das decisões importantes do Conselho Mundial da Água, e vamos lutar para continuar.”

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Além da definição do calendário eleitoral, a 78ª Reunião do WWC foi marcada pela participação do Ministro do Ambiente e da Ação Climática de Portugal, Duarte Cordeiro, que compartilhou com os presentes as experiências que aquele país está vivendo em relação a questões como mudanças climáticas e transição energética, entre outras.

“Portugal está trabalhando ativamente para resolver estas questões, que estão afetando de maneira importante todo o mundo”, conta o presidente da ABAR, e complementa: “Eles estão tentando atuar em conjunto com outros países europeus em relação não só aos problemas climáticos, mas também à guerra, que tem grande impacto na vida deles e na economia.”