Comissão técnica vistoria obra no Canal Santos Dumont

1

Comissão Técnica integrada pelos principais articuladores na revitalização do Canal Santos Dumont se reuniu nesta terça-feira (1º/9) para vistoriar a última fase da obra, de tubulação do canal principal. Iniciada em maio deste ano, a obra, que seria concluída em seis meses, deve ser entregue em setembro, bem antes do prazo, e além de beneficiar a produção agrícola, com o aumento da disponibilidade hídrica, aumentará a oferta de água para os moradores de Sobradinho e Planaltina.

O Canal Santos Dumont está localizado na Região Administrativa de Planaltina – DF . Ele é alimentado pelo ribeirão Pipiripau e abastece cerca de 100 propriedades rurais da região. Sem as obras de revitalização a água do canal era absorvida pela terra e ficava sujeita à evaporação.

O projeto de revitalização do Canal Santos Dumont, vem sendo desenvolvido há mais de três anos, a partir da iniciativa conjunta da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básido do DF (Adasa), Secretaria de Agricultura (Seagri), Empresa de Assistência e Extensão Rural (Emater), Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb), Comitê da Bacia Hidrográfica do Paranaíba e produtores rurais. Ele incluiu, além do canal principal, oito canais secundários, revitalizados em 2019.

A tubulação dos canais secundários e principal foi adquirida pela Caesb com recursos advindos da tarifa de contingência, implantada pela Adasa, no período crítico de escassez hídrica. A obra de tubulação do canal principal, foi executada por empresa especializada, contratada pelo Comitê de Bacias do Paranaíba, com o dinheiro da cobrança pelo uso da água do rio de domínio federal.

O extensionista rural da Emater, Leandro Moraes de Souza, lembra que a tarifa de contingência, criada pela Adasa, foi o ponto de partida para essa revitalização. Destacou o empenho da Secretaria de Agricultura, que enviou maquinário para a tubulação dos canais secundários, e da Emater, na orientação técnica aos agricultores que contribuíram com a mão de obra.

O diretor da Adasa, Jorge Werneck, que participou da visita, destaca a importância do comprometimento e parceria das diferentes instituições e dos produtores, desde o início da ação até a entrega da obra, que beneficiará quase 200 mil pessoas, no campo e na cidade.

A presidente da Associação de Usuários do Canal, Flávia Kikuchi,  afirma que o período de dificuldades de abastecimento encerra-se com chave de ouro. “A partir de agora teremos o aproveitamento de 100% da água pelo canal, sem riscos de obstrução e evaporação”, afirmou. Para Flávia a união de todos os setores envolvidos possibilitou o resultado. “Sem isso, nada teria acontecido”.