AGRESE analisa reajuste tarifário solicitado pela Deso

734

Na manhã desta quinta-feira (28), aconteceu na sala de reuniões da Agrese (Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Sergipe) uma reunião entre a Diretoria Executiva da Agência e os membros do Conselho Superior, onde foram discutidas algumas pautas, entre elas a análise da solicitação do reajuste tarifário da conta de água e esgoto, a serem aplicados pela Deso, a partir do mês de março de 2018.

O processo de análise solicitado pela Deso, iniciou no mês de setembro e sugerindo um reajuste de 9,74%. A solicitação está sendo analisada e apreciada por membros do Conselho Superior e Diretores Executivos da agência reguladora, com base nos estudos das planilhas e balancetes enviados pela Companhia.

“Foram realizadas várias reuniões e a Deso enviou documentos que estão sendo apreciados e avaliados pela câmara técnica de saneamento da agência e contando também com a contribuição dos técnicos da Sergipetec na análise de uma série de custos apresentados pela companhia entre eles, a eficiência energética, despesas com gestão de pessoal e principalmente, a redução de perdas, sejam estas físicas ou aparentes”, destacou o diretor presidente da Agrese, Luiz Hamilton Santana de Oliveira.

Assim que for apreciado pelo Conselho Superior da Agência, o percentual a ser definido será divulgado no site da agência, no Diário Oficial de Sergipe e demais órgãos de imprensa.

“Os profissionais das câmaras técnicas de saneamento e tarifária da Agrese, estão analisando os documentos, balancetes e planilhas que comprovem a necessidade do reajuste. Como agência reguladora, temos o dever de buscar conciliar o interesse público e o equilíbrio econômico-financeiro da companhia”, finalizou o diretor técnico, Jean Carlos Nascimento.

Comparativo
Ano passado, foi aplicado o reajuste de 9,93% e entrou em vigor em março de 2017. Nos estados do Ceará e Paraíba, por exemplo, as tarifas de água e esgoto foram reajustadas em 12,9% e 12,39%, respectivamente. No Rio Grande do Norte, o reajuste foi de 9,46%, e na Bahia, 8,8%.