Drones vão incrementar fiscalização da Agersa

306

São inúmeras as vantagens que o uso do veículo aéreo não tripulado pode agregar ao trabalho da fiscalização, a começar pelo baixo custo operacional.

Além disso, reduz a exposição da equipe a riscos, pois evita que ela adentre em áreas de difícil acesso ou em altura, por exemplo. Os drones possibilitarão, ainda, um mapeamento mais completo da área ou estrutura a ser fiscalizada, o que dá maior precisão ao diagnóstico.

Há um projeto em curso para o georrefenciamento de informações e os drones são um diferencial nesse processo.

A tecnologia não tem o protagonismo, mas, quando bem utilizada, pode se tornar uma valorosa aliada para o trabalho da equipe e a intenção da Agersa é buscar a excelência na área de fiscalização técnica.
Técnicos da Agência já deram início no ano em curso à implementação de um projeto-piloto, que prevê o uso de drones nas rotinas de fiscalização dos sistemas em diversos municípios baianos. Os voos de teste já começaram a ser feitos em unidades da Empresa Baiana de Águas e Saneamento S/A, na própria capital.

A Engenheira Ambiental, Uinnie Porto, técnica da Agersa, falou da importância do equipamento para a segurança dos fiscais da Agência.

“Muitas vezes chegávamos em lugares com reservatórios elevados sem condições de segurança para subir, com escadas em péssimo estado, sem plataforma de descanso e sem guardacorpo. A nossa integridade física era colocada em risco; então, ao se adquirir o equipamento, poderemos fiscalizar com segurança e garantir que o trabalho seja feito por completo”, pontuou.

O Diretor Geral da Agersa, Walter Oliveira, destaca que a Agência é uma das primeiras no Brasil a começar a usar o equipamento para aprimorar a fiscalização. “Investimos nesta tecnologia para que os trabalhos sejam aprimorados e os resultados melhorados. A tendência é a de que as demais agências implantem a mesma solução nas suas fiscalizações, já que essa se tornou bastante acessível e permite análises e relatórios mais completos”, pontuou.