Comitê criado pela ARSAM discute sobre invasões em áreas públicas e privadas no Amazonas

35

Na manhã desta quarta-feira (12/09) os membros do Comitê de Obras Públicas Integradas (COPI), estiveram presentes na sede da (Arsam), situada na Av. Álvaro Maia, n. 2357, bairro Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus, para realizar a 11ª Reunião Operacional de Subgrupo para discutir a respeito das invasões em áreas públicas e privadas, segurança, áreas de preservação permanente e áreas de servidão, ou seja, áreas predeterminadas para a instalação de redes de água, esgoto, gás ou eletricidade.

Na ocasião, o 1º Secretário do Copi, Ricardo Lima, falou da importância da integração dos órgãos públicos acerca dos avanços nas tratativas para inibir as invasões tanto na capital, quanto no interior do Estado e definiu a formação de um grupo de trabalho entre Arsam, Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMMAS), Gabinete de Gestão Integrada(GGI), concessionárias prestadoras dos serviços de água, gás canalizado, telefonia e eletricidade,  para a formulação de um documento que será encaminhado aos órgãos de Segurança Pública do Estado para que executem melhorias do policiamento em locais de vulnerabilidade. “Durante a reunião de hoje que contou com a presença dos representantes das áreas de conservação ambiental responsáveis até mesmo pela reintegração de posse, ficou definido a formulação de um documento que vai descrever as informações referentes à posição geográfica de invasões existentes, das áreas onde há a possibilidade de futuras invasões e sugestões de como inibir novas invasões  com o trabalho do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPAM). O Copi estará reunido no dia 28 de setembro para a primeira apresentação deste documento , onde as devidas alterações serão realizadas antes do encaminhamento para as instituições competentes como o Ministério Público do Estado(MPE)”, conclui Lima.

No encontro, o diretor presidente de Arsam, Miguel Vital, os representantes da SEMMAS, GGI, Secretaria de Administração e Gestão (Sead), e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes(DNIT) se manifestaram e pontuaram as ações que já estão sendo feitas no tocante às áreas de servidão, dentro das respectivas competências. E o Diretor de Fiscalizações da Semmas, Enéas Gonçalves, acrescentou que a zona norte de Manaus é responsável pelo maior registro de ocorrências de invasões na Capital e a Secretaria providencia um diagnóstico para a identificação da área antes de fazer o procedimento de reintegração de posse “Necessitamos do apoio de outros órgãos, como GGI, Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) e Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) para que as nossas ações sejam efetivas. Vamos realizar um mapeamento de todas as áreas invadidas e tentar buscar junto aos órgãos públicos, levando em conta questões ambientais, de segurança e sociais, a melhor maneira de realizar as reintegrações”, conclui Gonçalves.