Ouvidoria da Arbel atendeu mais de 400 usuários em dois meses

1

Mais de 400 atendimentos aos usuários foram realizados nos dois meses de atuação da Agência Reguladora Municipal de Belém (ARBEL). Os dados são da Ouvidoria da agência, que desde o mês de junho vem atuando como o órgão responsável em fiscalizar os quatro eixos do saneamento básico do município: abastecimento de água, esgotamento sanitário, resíduos sólidos e drenagem urbana. Entre as reclamações mais demandadas estão os problemas referentes a faturas.

Em junho, primeiro mês de atuação da agência, foram contabilizados 226 atendimentos pela ouvidoria do órgão incluindo diversos assuntos, como falta de água, serviços externos e informações em geral. Já em julho o número de atendimento subiu para 249, sendo 77 somente de reclamação referente a valores altos da fatura.  “Recebemos diversas queixas, mas na maioria das vezes as pessoas nos procuram para reclamar de problemas com a fatura, seja por valor elevado, cobrança indevida ou até atraso na entrega da fatura”, destacou o assessor autárquico Henrique Andrade, da ouvidoria do órgão.

“O mais importante é prestar o atendimento, por isso procuramos sempre orientar o usuário que nos procura. Até mesmo quando o assunto não é de competência da agência nós direcionamos o usuário ao local exato”, completou.

Usuários – Há seis meses aguardando por uma resposta da prestadora de serviços responsável pelo abastecimento de água e esgotamento sanitário do município, a técnica de enfermagem Sônia Suely Brochado buscou informações na ouvidoria da Arbel. Com um imóvel desocupado no distrito de Mosqueiro, Sônia reclama do alto valor cobrado no consumo de água no local. “Procurei a prestadora em janeiro deste ano, mas até hoje, seis meses após oficializar a queixa, não me deram nenhuma resposta, por isso resolvi ligar para a Arbel e buscar informações”, contou a técnica de enfermagem. “A agência reguladora foi o único local onde tive um atendimento e ainda me orientaram como deveria proceder”, disse.

Já o aposentado João Conceição Silva, de 64 anos, reclama da falta da entrega das faturas. “Não me recuso a pagar, mas o problema é que a conta não chega na minha residência e não tenho como imprimir fatura online”, lamentou. A autônoma Márcia Gonçalves Barbosa desconhecia a importância de oficializar a queixa junto às prestadoras de serviços. “A qualidade da água na minha casa é péssima e sempre me queixei. O problema é que nunca fui oficializar a minha reclamação com a prestadora eagora sei que o primeiro passo é fazer a denúncia junto ao órgão responsável, no caso, a prestadora de serviços”, revelou.

Resultados – No período de janeiro a julho de 2020, foram 1.223 manifestações à Ouvidoria da Arbel, sendo que os assuntos mais demandados foram problemas nas faturas, com 674 manifestações, o que corresponde a 55,11% do total; solicitação de serviços externos, com 333, correspondendo a 27,23 %; informações diversas, com 98 manifestações, 8,01%, e falta de água com 114, e 9,32%. Com relação à natureza das manifestações, 802 foi relativo a reclamações, o que corresponde a 65,58% do total; seguido por solicitações, com 177, o que equivale a 14,47%; informações com 237 manifestações, e 19,38%, e 7 denúncias, correspondendo a 0,57%.

Atuação – Com apenas dois meses de atuação, a Arbel alcançou resultados satisfatórios tanto nas fiscalizações nos serviços de abastecimento de água, quanto nos atendimentos aos usuários. “Realizamos fiscalizações diárias que estão alcançando excelentes resultados. O fator positivo para a agência é a boa prestação ao usuário, que é a nossa maior preocupação. O atendimento por meio de nossa ouvidoria vem cumprindo o seu papel de forma muito atuante”, destacou Eliana Uchoa, diretora presidente da agência.

Texto:

Noely Lima