Ligação entre as vertentes técnica, financeira e contabilística na gestão de ativos

4

O evento contou com a participação de mais de 80 participantes

Encerrando a trilogia de Webinars sobre gestão de ativos, a Associação Brasileira de Agências de Regulação (ABAR) promoveu o Webinar “Ligação entre as vertentes técnica, financeira e contabilística na gestão de ativos”. O evento aconteceu, remotamente, na manhã dessa quarta-feira (22).

Com a mediação de Cássio Leandro Cossenzo, superintendente de Estudos Econômicos e Fiscalização Financeira da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (ADASA), os palestrantes explanaram sobre assuntos relativos ao tema em questão.

A primeira palestrante, Rita Amaral que é membro da equipe da Lisbon International Centre for Water e do Laboratório Nacional de Engenharia Civil retomou alguns conceitos do Webinar passado definindo gestão de ativos e trazendo modos de como os reguladores podem promovê-la.  Logo depois, entrou no tema da ligação entre as vertentes técnica, financeira e contabilística e as metodologias de planejar investimentos a longo prazo.  Ela trouxe respostas a algumas reflexões geradas durante seu discurso como “Porque o alinhamento entre as vertentes técnica, financeira e contabilística é importante na gestão de ativos? Como podem os reguladores promover esse alinhamento? Quais as práticas de contabilidade e que impacto elas geram na gestão de ativos?”

Carlos Werlang Lebelein foi o segundo a falar. O professor e sócio da LMDM Consultoria explanou sobre a reposição de ativos em termos contratuais e da contabilidade regulatória. Segundo Carlos, a gestão de ativos tem que se autofinanciar. Ela é responsável pela rentabilidade da concessionária. “Como uma concessionária ganha dinheiro? Investimento em ativos”, explicou ele.

O sócio da LMDM, afirmou que um custo operacional é dependente da qualidade do investimento e que a eficiência alocativa, do ponto de vista do recurso, é muito importante por que ela traz benefícios para a amorticidade tarifária. “A eficiência vem de dentro pra fora da concessionária”, disse ele que também falou sobre o entendimento da gestão de ativo. “As pessoas envolvidas precisam conhecer os processos dessa gestão”. Carlos finalizou seu discurso explicando a importância de se saber a vida útil dos ativos para saber o tipo de investimento que se é preciso fazer. “Os ativos precisam de análise físio- contábil. Qualitar, contabilizar. Isso impacta nos gastos e investimentos”, disse ele.

Ao final, os palestrantes responderam, aos questionamentos dos participantes que perguntaram, via chat, sobre o tema gestão de ativos tanto em Portugal como no Brasil. “Essa interação dos palestrantes com os participantes fez o evento ainda mais enriquecedor, visto que são realidades diferentes de países diferentes”, completou Cássio Leandro, o mediador do evento.

Veja no vídeo a íntegra do debate.