Conheça a trajetória de Igor Gleb como secretário executivo da CTSan

7

O engenheiro industrial que tanto contribuiu para o desenvolvimento da Câmara Técnica de Saneamento, Recursos Hídricos e Saúde

Engenheiro industrial metalurgista pela Politécnica de São Paulo. Formado em 1979, fez mestrado no Canadá em 1982 e formou em Direito pela Universidade Paulista (UNIP) em 2013. Foi síndico residencial por anos e, foi essa experiência que o levou ao saneamento, quando tornou-se especialista em regulação e fiscalização da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do estado de São Paulo (ARSESP)em 2010.  Em janeiro de 2015 recebeu o convite para ser secretário executivo da CTSan. Em 2019 assumiu a vice-presidência da Associação dos Profissionais de Regulação do Estado de São Paulo (APAR-SP), que entre outras funções tem a missão de manter uma postura ética de seus membros e divulgar as boas práticas de compliance para os reguladores.  Conheça agora, um pouco da história de Igor Gleb em meio ao setor de regulação.

ABAR: Como o senhor define sua trajetória na CTSan?

IGOR:  Em 2015, recebi o convite para atuar como secretário executivo da CTSan. Foi um tempo de muito aprendizado, onde pude participar de um ambiente democrático em que cada servidor discutia o parecer de suas agências, mas também podíamos debater visões próprias sobre os temas de saneamento. Além do crescimento profissional, fiz muitas amizades em um ambiente rico e acolhedor.

ABAR: Quais os maiores feitos como secretário executivo?

IGOR: Tive o prazer de trabalhar com dois presidentes da ABAR, Fábio Alho e Fernando Franco, como também com os coordenadores da CTSan Bonifácio e Hélio que me deram amplitude pra trabalhar. Fizemos muitos contatos institucionais, acompanhamos o processo do projeto ACERTAR que foi gerado pelo Samuel da ARSAE e pelo Alexandre da ARCE. Divulgamos muito esse projeto internamente, conversamos com o antigo Ministério das Cidades, hoje Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR). Levamos o projeto para o evento Internacional da Água em Brasília em 2018.  Eu acredito muito no ACERTAR. É uma metodologia que pode ser usada em qualquer circunstância de agência reguladora pois é uma metodologia completa de auditoria. As agências mudaram de patamar quando começaram a utilizar essa ferramenta.  Outro ponto a destacar foi agregarmos a Engenheira Rita Cavaleiro da GIZ, organização alemã de fomento à CTSan. Pudemos assim, desfrutar do enorme conhecimento dessa consultora em eficiência energética. Também abraçamos o Regulasan, programa que divulgamos e participamos. Outra iniciativa em que estivemos presente foi o  Regulares para resíduos sólidos, desenvolvido juntamente com o Ministério da Economia, além de promovermos debates relevantes sobre a análise do impacto regulatório  (AIR), o que foi muito positivo para os participantes da CTSan.

ABAR: Qual a importância do serviço de saneamento básico frente a crise provocada pelo coronavírus?

IGOR: Saneamento significa, também, higiene que tem tudo a ver com coronavírus. Se tivermos saneamento melhor em determinadas regiões, provavelmente haveria uma condição de lidar melhor com a pandemia. Então é básico, é fundamental para a saúde. Há um histórico de que houve uma melhora muito grande quando os governos militares criaram suas estatais de saneamento como SABESP, COPASA, SANEPAR. A saúde da população melhorou muito e a mortalidade infantil caiu. Isso também é uma prova de quanto o saneamento é importante. Bem, quero aproveitar e acrescentar algumas ideias sobre a situação atual e futura sobre o saneamento e que serão discutidas adiante:

  1. a geografia manda no saneamento de forma determinante.
  2. as agências infranacionais fazem parte do tecido social e garantem a capilaridade que permitirá a granularidade no saneamento. Mais Brasil e menos Brasília
  3.  a imagem dramática do “menino com celular com pé no esgoto” é enganosa. . Pois é muito mais fácil colocar uma antena de celular na favela do que dela coletar o esgoto.
  4. com ou sem Novo Marco Regulatório, se não atacarmos as causas da ocupação do solo não planejada e irregular vamos continuar a “secar gelo” no saneamento.
  5. algumas agências infranacionais ainda são frágeis e precisam se qualificar com rapidez, senão serão atropeladas pelos fatos;
  6. com o novo Marco não haverá a privatização da água, mas somente será facilitada a gestão da infraestrutura pública, por entes privados;
  7. o setor de saneamento é “vaca leiteira”, tem o atrativo da segurança dos investimentos em um mercado cativo, e, portanto, o setor privado não deve esperar lucro mágico dele.

ABAR: Como o senhor enxerga o futuro da regulação após a aprovação do marco regulatório do saneamento básico?

IGOR: O novo marco regulatório já vem sendo discutindo desde o final do governo Temer. Isso era um assunto que vem sendo discutido com força há alguns anos dentro do âmbito da ABAR. Nós discutimos muito o papel da Agência Nacional de Águas (ANA) e sempre tivemos um excelente relacionamento com essa importante agência federal.  Agora é a hora de arregaçarmos as mangas, vermos onde o novo marco é falho e suprirmos isso, junto de quem está atuando, para que tenhamos o que dizer sobre o que vai ser feito daqui pra frente. Cabe a nós sermos pró ativos e interferir positivamente.  No final das contas, o que todos queremos é saneamento para todo mundo, preços módicos para a população e que a infraestrutura seja renovada. A ABAR está se movimentando tanto no âmbito dos diretores quanto na CTSan. Eu sei que o Renato, que é o novo secretário , já está pensando em como fazer isso funcionar e com certeza muitos de nossos colegas pelo Brasil têm colaborado e estão prontos para colaborar mais ainda com a ANA e com a consultoria que venha a contratar em sua nova formatação em prol do saneamento em nosso País. Desejamos o sucesso para todos os envolvidos.

ABAR: Qual mensagem final o senhor deixa para a comunidade reguladora?

IGOR: Minha mensagem é de agradecimento a toda a equipe da ABAR, a todos que me receberam, incluindo meus amigos Fábio, Fernando e Hélio. Quero desejar muito sucesso para o Renato Monteiro que é o novo secretário. Tenho certeza de que fará um bom trabalho ao lado de apoiadores como os secretários das outras Câmeras Técnicas  Flavine (jurídico institucional) e o Calfo (Gás),  que muito nos ajudaram na CTSan.  Renato é extremamente competente, conhece todo o universo do saneamento. Para nós é uma super aquisição. Tem muito conhecimento e muita energia e hoje é um prazer vê-lo trabalhando e poder ajudá-lo. Essa é a minha mensagem de agradecimento e de sucesso para o Renato e para ABAR.