Impactos nos Investimentos em Infraestrutura Pós-Crise: Brasil e União Europeia

5

Em cumprimento às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a prevenção à disseminação da COVID-19 (coronavírus), a Associação Brasileira das Agências de Regulação (ABAR) promoveu sua segunda edição extra de Webinar, gratuita, na última quinta-feira (27) às 15 horas.

Com a temática “Impactos nos investimentos em infraestrutura pós-crise Brasil e União Europeia”, o evento contou com a mediação do Vice-Presidente Sudeste ABAR e Diretor Presidente da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do estado de São Paulo (ARSESP) e com a participação de Rui Marques Cunha, Professor Catedrático na Universidade de Lisboa, em Portugal

A primeira pergunta do debate, permeou a dúvida de como os prestadores e os demais stakeholders do setor de saneamento podem estar preparados para situações de força maior como essa atual pandemia. Em resposta, Rui salientou três pontos principais. O primeiro é a relevância do setor público para a saúde pública. O segundo é que a saúde pública está diretamente ligada a economia e que o todo nosso bem-esta e condição de renda que população necessita. Diante desse cenário ele afirma a necessidade de termos “sistemas robustos e resilientes em infraestruturas de saneamento para enfrentarmos o tempo de crise”. E o terceiro ponto é que os prestadores precisam ter planos de emergência e de contingência para situações extremas como essa que estamos vivendo.

Rui também enfatizou o papel das agências no cenário pandêmico. Ele afirmou que, em uma situação de saúde pública, as agências tem o papel de coordenar todos os entes envolvidos e dialogar com outros setores e com outras entidades públicas e privadas. E afirmou também o papel do Governo “Pode ser a nível estadual, municipal, regional ou até federal, mas o Poder deve assumir as suas responsabilidades e a apoiar os prestadores para dar sustentabilidade financeira”.

Com a intervenção do sr. Hélio Castro, o moderador do Webinar, Rui respondeu as perguntas feitas pelos participantes, o que gerou um espaço de compartilhamento de experiências e boas práticas entre Brasil e Portugal.

Veja no vídeo a íntegra do debate.