Conheça a Arsae: o que faz a Gerência de Fiscalização Operacional?

2

Atuação de forma técnica, responsável e objetiva. É assim que a Gerência de Fiscalização Operacional (GFO) tem pautado suas atividades, que afetam diretamente a qualidade de vida dos mineiros. Vamos saber como é o trabalho da GFO, suas atribuições e principais atividades? Acompanhe na segunda matéria do Projeto Conheça a Arsae-MG, que busca detalhar cada gerência e seu funcionamento.

A GFO é responsável por realizar fiscalizações operacionais nos sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário junto aos prestadores regulados pela Arsae-MG, além de atuar de forma sinérgica com todas as demais gerências e participar de diversas reuniões (internas e externas) com representantes de Câmaras, Prefeituras e Ministério Público, nas quais são tratados assuntos referentes a tarifas e prestação de serviços. O gerente de fiscalização operacional, Lucas Marques, explica que a GFO lida diretamente com operadores do sistema e com a população, seja em audiências públicas ou em eventos na área de saneamento. “Estamos lá tirando dúvidas, explicando a dinâmica do saneamento, acolhendo reclamações e denúncias para que sejam solucionados todos os problemas. Uma das nossas maiores preocupações é a clareza na transmissão das informações, de modo que elas estejam acessíveis, mesmo para aqueles que sejam leigos nos temas relacionados ao saneamento.” afirma.

Um outro ponto positivo na GFO é a diversidade na formação dos servidores que integram a gerência. “Temos profissionais de inúmeras áreas: engenheiro civil, engenheiro químico, engenheiro ambiental, biólogo, geógrafo, bioquímico e em breve teremos um contador e um administrador. Isso dá uma dinâmica muito interessante às discussões e na realização dos trabalhos que, através de uma comunicação eficaz e atenta, gera muitos ganhos na qualidade do trabalho desempenhado”, avalia o gerente

Conheça as principais atividades da GFO:

• Fiscalização nos sistemas de água e de esgoto

É o carro-chefe da GFO. As fiscalizações in loco possibilitaram melhorias na qualidade da água tratada em diversas localidades, bem como o fim da intermitência no abastecimento, aportes em investimentos e a devolução de valores cobrados indevidamente de usuários pelo não tratamento do esgoto ou tratados com eficiência mínima definida em norma.

• Fiscalização remota

Modalidade na qual não é necessária a ida a campo dos fiscais, mas permite realizar uma análise minuciosa dos dados fornecidas pelo prestador. A metodologia foi desenvolvida pela própria GFO. Todos os relatórios das fiscalizações remotas são eficazes e promissores, pois conseguem identificar com clareza problemas operacionais importantes, além de conter fotos atualizadas tiradas pelo próprio prestador e esclarecimentos que conseguem responder às demandas.

• Verificação de Ativos

A GFO atua oferecendo apoio à Coordenadoria de Regulação Econômica (CRE), verificando a existência e a operação dos ativos (conjunto de bens que proporcionam ganhos) declarados pelo prestador no seu banco patrimonial, validando ou não o valor declarado;

• Participação em Audiências Públicas e em eventos relacionados ao Saneamento

Técnicos da GFO participam ativamente desses eventos, sanando dúvidas, explicando fatos do saneamento, acolhendo reclamações e denúncias para que sejam tomadas todas as medidas cabíveis a fim de solucionar os problemas.

• Participação nas reuniões do Comitê de Bacia do Rio Pará

A GFO representa a Arsae nas reuniões do comitê de Bacia do Rio Pará, que podem ser ordinárias (ao menos três por ano) ou extraordinárias. Ali, os atores envolvidos (Poder público municipal, estadual, usuários, e sociedade civil organizada), se reúnem para planejar e gerir ações de preservação e conservação da bacia.

Com esse conjunto de atividades a GFO vem inovando dia a dia no sentido de aperfeiçoar seus processos internos, melhorando consequentemente os resultados e a qualidade de vida da população mineira por meio das suas ações.