Consórcio Infraestrutura Brasil oferta ágio para arrematar maior licitação de rodovias do país

120

Primeira concessão do Governo João Doria tem mais de 1.200 quilômetros de rodovias estaduais e uma série de benefícios tarifários para tornar os pedágios mais baratos; Concessionária deverá investir R﹩ 14 bilhões na malha paulista

Com ágio histórico de 7.209 % sobre a outorga mínimao Consórcio Infraestrutura Brasil apresentou na B3, a oferta vencedora de R﹩ 1,1 bilhão pela concessão do lote de rodovias “Piracicaba-Panorama”. A concessão de 30 anos prevê investimentos que somam R﹩ 14 bilhões para a infraestrutura rodoviária que atravessa São Paulo desde a região de Campinas até o extremo oeste do Estado, na divisa com o Mato Grosso do Sul. Considerando a outorga proposta e os investimentos exigidos pelo edital, a concessão viabiliza R﹩ 15,1 bilhões em recursos para o Estado de São Paulo. O leilão de rodovias de hoje foi o primeiro realizado este ano e configura a maior malha rodoviária já licitada no país. Dos R﹩ 14 bilhões de investimentos previstos ao longo dos 30 anos do contrato, cerca de R﹩ 1,5 bilhão serão aportados já nos dois primeiros anos da concessãoConfira abaixo o resultado da licitação do Lote “Piracicaba-Panorama”:

Licitação do Lote “Piracicaba-Panorama”

Outorga mínima: R﹩ 15.049.433,02

1º: Consórcio Infraestrutura Brasil (controlada pelo Banco Pátria pelo Fundo Soberano de Cingapura)

Oferta de outorga: R﹩ 1,1 bilhão – ágio de 7.209,25%

2º: EcoRodovias (controlada por CR Almeida e Grupo Gavio)

Oferta de outorga: R﹩ 527,05 milhões – ágio de 3.402,03%

O leilão histórico, não só pelo ágio alcançado, mas também pela participação inédita do Fundo Soberano de Investimentos de Cingapura – integrante do consórcio vencedor ao lado do Banco Pátria – é consequência direta das modernizações que foram feitas no edital de licitação com objetivo de atrair investidores estrangeiros. “O resultado mais uma vez demonstra que licitações comprometidas com a transparência e a segurança jurídica dos contratos trazem credibilidade para os projetos paulistas”, avalia Renata Perez Dantas, diretora geral interina da Agência Reguladora de Transporte do Estado de São Paulo – ARTESP. Vale lembrar que as últimas licitações de rodovias paulistas receberam propostas com ágios de até 438%, como foi o caso da oferta da Arteris para o lote “Rodovias dos Calçados”. Em razão disso, algumas inovações trazidas pela modelagem paulista para concessões de rodovias vêm sendo adotadas em outros certames, como é o caso da previsão de acordo tripartite entre o poder concedente, a concessionária e o investidor; do mecanismo de proteção cambial que reduz os riscos para o investidor que captar recursos em moeda estrangeira e da redução dos requisitos de qualificação técnica, dando oportunidade para a subcontratação qualificada.

Dando sequência ao processo, a Comissão Especial de Licitação irá avaliar a garantia de proposta do Consórcio Infraestrutura Brasil, assim como demais documentos de habilitação e de qualificação técnica da licitante. Com toda a documentação validada, serão marcadas as datas de assinatura de contrato e início de operação, prevista para o primeiro semestre de 2020. Ainda este ano, a ARTESP deve concluir a licitação do Lote Rodovias do Litoral Paulista. O projeto já foi apresentado em audiências e consulta públicas e está em fase de refinamento do edital frente às contribuições recebidas.

Piracicaba-Panorama. No total são 1.273 quilômetros de rodovias que serão modernizadas e ampliadas. lote Piracicaba-Panorama é composto pela malha de 218 quilômetros, atualmente operada pela concessionária Centrovias, do Grupo Arteris, além de 1.055 quilômetros operados pelo DER-SP, que passarão a receber todas as modernizações do Programa de Concessões Rodoviárias do Governo do Estado de São Paulo. Receberão investimentos trechos das rodovias SP-304, SP-308, SP-191, SP-197, SP-310, SP-225, SP-261, SP-293, SP-331, SP-294, SP-284 e SP-425, beneficiando diretamente 62 municípios cortados por essa malha.

Entre as intervenções previstas estão 600 quilômetros de duplicações e novas pistas (contornos urbanos). Também haverá faixas adicionais e vias marginais, entre outras obras que melhoram a fluidez, o escoamento da produção regional e a segurança viária. Serão implantados, ainda, acostamentos, novos acessos e retornos, recuperação de pavimento, passarelas e ciclovias. O projeto estabelece que a cada quatro anos sejam realizadas revisões que possam adequar novos investimentos nas pistas. Assim, poderão ser antecipados ou feitos novos investimentos, como duplicações e faixas adicionais de acordo com a avaliação de novas demandas.


Inovações tarifárias.
 O edital também prevê inovações do ponto de vista econômico, tecnológico e de segurança viária. O modelo tarifário da nova licitação leva a uma tarifa quilométrica 23% menor que a praticada pela Centrovias atualmente. Haverá desconto de 5% para os usuários do pagamento automático. Além disso, a grande inovação tarifária da nova concessão é o Desconto de Usuário Frequente (DUF), modelo inédito no Brasil e que irá beneficiar omotoristas que utilizam o trecho rodoviário com mais frequência, principalmente moradores de pequenas cidades que usam as rodovias quase que diariamente para acessar a rede de comércio e serviços de municípios vizinhos.

Segurança viária. A concessão será a primeira do país a contar com a metodologia iRAP (Programa Internacional de Avaliação de Rodovias). Esta metodologia tem como objetivo permitir que vias sejam projetadas para limitar a probabilidade de acidentes, assim como minimizar a gravidade das ocorrências. A metodologia já foi aplicada com sucesso em mais de 1 milhão de quilômetros de rodovias em mais de 80 países. Benefícios regionais previsão de que as 62 Prefeituras dos municípios desse novo lote recebam cerca de R﹩ 2 bilhões em repasses de ISS-QN ao longo da concessão. É verba que mensalmente sai direto do Programa de Concessões Rodoviárias do Governo do Estado de São Paulo e vai para os cofres das prefeituras, que podem utilizar em suas prioridades, como na expansão de infraestrutura de transporte ou qualquer outra destinação. Há estimativa, ainda, da geração de mais de seis mil empregos diretos e indiretos somente no primeiro ano de contrato, com aumento para sete mil a partir do segundo ano.

O projeto de concessão conta com a assessoria técnica da IFC – International Finance Corporation, organismo multilateral do Grupo Banco Mundial, para a realização dos estudos e acreditação do projeto. A assessoria da IFC se dá no âmbito do Programa de Fomento à Participação Privadauma parceria técnica e financeira entre IFC, BNDES e BID para o desenvolvimento e promoção de projetos de concessão e PPP no Brasil.

Veja abaixo as principais obras previstas no edital:

Duplicações e Faixas Adicionais

SP-294 | Duplicações | km 458 (Marília) ao km 477 (Pompéia)

SP-294 | Duplicações | km 494 (Pompéia) ao km 560 (Parapuã)

SP-294 | Duplicações | km 560 (Parapuã) ao km 685 (Panorama)

SP-425 | Duplicações | km 374 (Parapuã) ao km 429 (Martinópolis)

SP-284 | Duplicações | km 447 (Assis) ao km 475 (Paraguaçu Paulista)

SP-284 | Duplicações | km 475 (Paraguaçu Paulista) ao km 520 (Rancharia)

SP-284 | Duplicações | km 520 (Rancharia) ao km 551 (Martinópolis)

SP-304 | Duplicações | km 200 (São Pedro) ao km 226 (Santa Maria da Serra)

SP-304 | Duplicações | km 226 (Santa Maria da Serra) ao km 231 (Santa Maria da Serra)

SP-304 | Duplicações | km 240 (Torrinha) ao km 294 (Jaú)

SP-308 | Duplicações | km 179 (Piracicaba) ao km 194 (Charqueada)

SP-293 | Duplicações | km 000 (Cabrália Paulista) ao km 025 (Duartina)

SP-191 | Duplicações | km 075 (Rio Claro) ao km 116 (São Pedro)

SP-197 | Faixas Adicionais | km 000 (Brotas) ao km 020 (Torrinha)

SP-261 | Faixas Adicionais | km 151 (Pederneiras) ao km 184 (Bariri)


Novas Pistas

SP-294 | Contorno de Pompéia  Paulópolis (km 0 ao km 20)

SP-304 | Contorno de Piracicaba (km 0 ao km 15)

SP-304 | Contorno de Águas de São Pedro (km 0 ao km 17)

SP-304 | Nova Serra de Santa Maria (km 0 ao km 13)

Terceiras e quartas faixas

SP-310 | Terceiras e quartas faixas | km 153 (Cordeirópolis) ao km 193 (Corumbataí)

SP-310 | Terceiras e quartas faixas | km 199 (Corumbataí) ao km 228 (São Carlos)

SP-310 | Terceiras e quartas faixas | km 153 (Cordeirópolis) ao km 228 (Corumbataí) (2º ciclo)

Marginais

Trecho SP-191 – km 87 ao km 88 (Ipeúna) (crescente e decrescente)

Trecho SP-294 – km 645 ao km 649 (decrescente) (Dracena)

Trecho SP-294 – km 459 ao km 464 (decrescente) e km 462 ao km 464 (crescente) (Marília)

Trecho SP-294 – km 442 ao km 444 (crescente); km 443 ao km 444 (decrescente) e km 449 ao km 450 (decrescente) (Marília)

Trecho SP-310 – km 171 ao km 177 (crescente) (Rio Claro)