ADASA declara fim da situação crítica de escassez hídrica no DF

338

Entra em vigor na sexta-feira (21/12) a Resolução da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), que declara o fim da situação crítica de escassez hídrica no Distrito Federal. O anúncio foi feito pelo diretor-presidente da Agência, Paulo Salles, em entrevista coletiva, na sede do órgão regulador.

Com a decisão, os agricultores não ficam mais restritos à captação de água durante seis horas por dia e passam a captar de acordo com as outorgas de direito de uso. Outorgas para irrigação e piscicultura, acima da região do reservatório do Descoberto só poderão ser emitidas em áreas utilizadas antes de 16 de setembro de 2016. Eventuais saldos da Tarifa de Contingência, implantada no período crítico da crise hídrica, serão considerados para fins de moderação no cálculo tarifário.

A Adasa recomenda, no entanto, a manutenção das boas práticas de consumo racional da água.

“Embora o reservatório esteja cheio, alguns fatores devem ser observados para garantir a segurança hídrica. O reservatório é apenas um indicador. Todos nós temos que ter bem claro a importância de manter as boas práticas para que no futuro não haja surpresas”, observou Salles, referindo-se às variações climáticas. Para ele, a infraestrutura no abastecimento, com a interligação dos sistemas Descoberto, Paranoá e Santa Maria, permitiu maior flexibilidade de gestão.

A quantidade de chuvas nos reservatórios do Descoberto e de Santa Maria também contribuíram para a segurança hídrica. Nos meses de setembro e novembro, o nível pluviométrico superou a média histórica.

As simulações também ofereceram segurança para a decisão. No pior cenário, com pouca chuva e início da operação do sistema Corumbá IV,  em janeiro de 2019, o volume útil do Descoberto chegaria em outubro do próximo ano a 46% e o de Santa Maria a 56%; níveis bem acima dos registrados na época do início da crise.

“Todas essas informações nos dão segurança de que podemos sair do estado crítico”, afirmou Salles, que destacou o aprimoramento institucional adquirido pela Adasa, durante a crise hídrica, no monitoramento dos dados.

A situação crítica de escassez hídrica foi declarada em 16 de setembro de 2016, para manter os patamares de segurança, até a recarga do sistema. Na época, os reservatórios do Descoberto e de Santa Maria atingiam, respectivamente, o volume útil de 40,1 e 50,3%.

A falta de chuvas no período agravou a crise hídrica e o reservatório do Descoberto, responsável pelo abastecimento de 65% da população, chegava ao nível mais baixo, de 5,3%, em 7 de novembro de 2017.

Sete meses depois, em junho de 2018, no início do período da seca no DF, o volume útil já atingia 93,9%, e agora está em vias de verter (96,9%).

Confira aqui a apresentação dos dados e simulações:
Dados do Reservatório do Descoberto (2008 a 2017)
– 2017, o Descoberto viveu seu pior ano desde o início da série histórica em 1987. Em 7 de novembro atingiu 5,3% do seu volume útil – o mais baixo já registrado.
– 2016, foi última vez que a barragem atingiu o volume máximo, e por um curto período de 26 dias, entre 15 de março e 9 de abril. No mesmo ano, o DF declarou situação crítica de escassez hídrica. Em 19 de novembro, o volume medido foi 19,4. O índice fez com que a Adasa autorizasse o início do racionamento no DF.
– 2015, o Descoberto atingiu o volume máximo entre 9 de abril e 6 de junho;
– 2014, a barragem verteu entre os dias 13 de janeiro e 30 de maio;
– 2013, em 19 de janeiro, o descoberto volta a atingir 100% do volume útil, mantendo-se assim até 23 de maio. Ainda em 2013, voltou a ficar em 100% entre 31 de maio e 18 de junho;
– 2011, reservatório em 100% do volume útil até maio e, em 20 de dezembro, ele volta a transbordar, permanecendo cheio por exatos seis meses, até o dia 20 de junho de 2012;
– 2010: o volume útil do reservatório permanece com sua capacidade máxima até 8 de maio. Entre os dias 12 e 15 de maio do mesmo ano, o Descoberto atinge novamente os 100%. Em 30 de dezembro, o Descoberto chega novamente ao nível máximo (100%), mantendo o índice até 10 de maio de 2011;
– 2009: a barragem operou com a capacidade máxima (100%) ente 17 de janeiro e 22 de junho. No dia 4 de dezembro o Descoberto voltou a verter, permanecendo assim até 8 de maio de 2010;
– 2008: o reservatório do Descoberto atingiu o volume útil de 100% do entre 21 de fevereiro e 3 de junho.